Off Topic

Published on July 5th, 2016 | by Leo Schmidt

13

50 tons de estimativa: software empresarial e o tesão do inventor

Antes de mais nada: nada nesse post é lei, é apenas minha opinião. (E não tem nada de estimativa também, foi mal.)

Algum tempo atrás, quando estávamos indo buscar ingressos prum show do ÁIRO MEIDI, o Maurício e eu estávamos conversando sobre desenvolvimento de software. O Maurício então soltou a seguinte dúvida:

Porque será que o pessoal que desenvolve ABAP não gosta de verdade de desenvolvimento de software?

Isso é uma pergunta difícil de responder, porque não existe um motivo único. Mas a premissa é verdadeira. Tem muita gente que trabalha com ABAP que não gosta realmente de desenvolvimento de software.

Permitam-me voltar brevemente no tempo pra contar uma historinha.

assiste lá Kung Fury mto doido meu

YOU’RE ABOUT TO HACK TIME, ARE YOU SURE? >YES NO

No Ano de Nosso Senhor de 2007, eu ainda estava na faculdade. Nessa época, a galera se juntava e ia em massa em vários eventos de empresas de tecnologia, com o óbvio objetivo principal de comparecer aos coffee breaks pra comer MUITO e DE GRAÇA, e talvez assistir uma palestra ou outra.

Nesse ano, a Microsoft estava lançando a versão nova do Office, cheia de coisas novas como o padrão aberto de XML dos documentos, o design reformulado, aquele esquema de colaboração com o Sharepoint, etc. E uma das palestras do evento era exatamente sobre isso, e foi muito bacana. Só que logo depois dessa palestra, vinha uma outra de um cara falando sobre o XNA, o framework gratuito para desenvolvimento de jogos da Microsoft. O palestrante (cujo nome eu infelizmente não consigo lembrar) começou sua apresentação dizendo mais ou menos o seguinte:

Ó, quem gosta de ficar fazendo contas a pagar, a receber, balanço, fluxo de caixa, pode ir embora, que agora a gente vai falar de coisas divertidas.

E seguiu a palestra mostrando as novidades do framework, inclusive com um joguinho onde uma nave na forma do X do Xbox destruía inimigos que eram pinguins do Linux. Na hora foi tudo bem engraçado e tal, mas refletindo sobre isso um tempo depois eu percebi que o apresentador falou indiretamente como brincadeira uma coisa que é séria e REAL:

Desenvolvimento de software empresarial não é divertido

Não é mesmo. Na maior parte do tempo, não vai ser prazeroso nem recompensador. Esse negócio de “enterprise geek” pra mim é papinho de currículo. Mas antes de dizer o porquê, eu preciso fazer uma distinção clara entre desenvolvimento de software empresarial e desenvolvimento de produtos de software:

  • O que eu estou chamando aqui de desenvolvimento de software empresarial é o conjunto de atividades que compreende a implementação, ampliação e manutenção de sistemas distribuídos de software que suportam as atividades de uma empresa, como por exemplo um sistema ERP como o SAP;
  • e o que eu chamo de desenvolvimento de produtos de software é o conjunto de atividades que têm por fim a entrega de um ou mais produto(s) de software específico(s), junto com manutenção e suporte respectivos, contínuos durante o seu ciclo de vida – pense em um aplicativo Android ou iOS.

É claro que existem alguns pontos onde essas áreas se interceptam. É possível que dentro de uma empresa exista uma pessoa ou um time exclusivamente responsável por uma determinada aplicação, framework ou API, ou que um produto seja tão grande ou tão importante que o seu ciclo de desenvolvimento se torne uma atividade rotineira ou até mesmo crítica pra empresa.

Com essa definição, dá pra ver que o foco ou fim de cada área é diferente também: no desenvolvimento de software empresarial, o foco é manter a empresa funcionando. Já quando você desenvolve um produto, a ideia principal é entregar o melhor produto possível.

Esses dois focos nascem de jeitos diferentes. Se a ideia do desenvolvimento é suportar a atividade da empresa, o software que vai fazer isso acaba sendo orientado por requisitos do negócio. É aquele tipo de coisa que chega na forma de um fiscal da empresa dizendo num e-mail algo do tipo: “P*** QUE PARIU eu preciso URGENTEMENTE que o XML da Nota Fiscal tenha esses 20 campos novos PRA ONTEM. A cada dia que eu fico sem mandar essas informações pra Sefaz eu estou tomando uma multa de TROCENTOS MIL REAIS. ME AJUDA POR TUDO QUE VOCÊ CONSIDERA DE MAIS SAGRADO. Atenciosamente, Fiscal”. É a necessidade do negócio ali, traduzida às vezes em desespero, talvez em especificação, que motiva esse tipo de desenvolvimento. Um trabalho de formiga, que não tem nem pretende ter fim em vista. Recebeu o chamado, desenvolveu, testou, usuário aprovou, próximo chamado, repete, segue o jogo.

Mas se o resultado buscado é um produto, a coisa muda de figura. O produto de software geralmente nasce de uma ideia. É aquilo que acontece num brainstorm, onde se diz coisas do tipo “Eu tava pensando aqui e CARAMBA CARA imagina se no celular do vendedor ali no ponto de venda tivesse um aplicativo que consultasse a base de produtos e calculasse ali na hora um preço ótimo baseado no histórico de pagamentos e de variação de preços? Não seria bacana? Aí já dispara um e-mail que…” e assim vai. Isso evolui, vira um projeto, monta-se um time, decide-se por uma arquitetura específica, escolhe-se as melhores ferramentas, o trabalho braçal acontece, testes, implementação, manutenção, feedback, features novas, versões novas, etc. Até que venha a próxima ideia.

Por que software empresarial não é divertido então?

Porque falta algo simples: o envolvimento. No exemplo do fiscal, o desenvolvedor que vai atender o chamado normalmente não tem relação NENHUMA com a necessidade da empresa. Pra esse desenvolvedor, pessoalmente, pouco interessa se a Sefaz rejeita uma, duas a cada dez, ou todas as notas do cliente. Não foi ele quem criou as necessidades, não foi ele quem introduziu os erros, ele só vai ter que corrigir essa falta. Uma vez corrigida, sobra um e-mail de agradecimento e um tapinha nas costas, ambos perdidos em mais uma montanha de chamados novos. Até que venha outra nota técnica e tudo se repita.

No mundo dos produtos de software, o envolvimento é muito maior com cada entrega. Existem muito mais decisões a serem tomadas, concernentes a arquitetura, paradigmas, segurança, bibliotecas, documentação, etc., fazendo com que o desenvolvedor se sinta parte de um processo e tenha uma visão mais geral do que está sendo feito. Com esse panorama, cada alteração é sentida pelos seus efeitos nos testes, e cria-se uma motivação para entregar código cada vez mais bem feito.

O tesão do inventor

Nikola Tesla

“gata vamo lá em casa pra eu te mostrar minha energia ilimitada”

Pra mim, quem gosta MESMO de desenvolver software tem um tipo de motivação que eu chamo de tesão do inventor (deve ter algum nome mais apropriado pra isso, mas eu não conheço). É aquele sentimento que surge depois de você ter quebrado a cabeça usando todo tipo de técnicas, desde as mais simples até as mais complicadas, pra no final alcançar um resultado que você pode apontar felizão da vida e dizer pra alguém “MALUCO OLHA ISSO AQUI. SÉRIO. OLHA ISSO. VÊ SE FUNCIONA. FUNCIONOU? P*** QUE PARIU. SÉRIO. NÃO TO ACREDITANDO. FUNCIONA MESMO”.

E isso só existe de verdade quando você tem a chance de ter um envolvimento grande com o que você faz. Você vê o seu trabalho realizado ali, funcionando, fazendo o que deveria.

Mais de uma vez eu me vi pensando o seguinte: eu queria muito poder, de vez em quando, pegar alguma demanda que eu desenvolvi do zero em ABAP – seja um relatório ALV, um Smartform, um Workflow, sei lá, qualquer uma – e sentar do lado do usuário que vai usar aquilo e dizer: “mostra pra mim em produção como era o seu trabalho antes disso e como você vai usar isso pra facilitar o seu trabalho daqui em diante”. Eu acho que eu NUNCA consegui fazer isso. E isso é uma das decepções do meu trabalho como ABAP. E também ajuda a responder a pergunta do Maurício.

Imagina alguém chegando do lado de um desenvolvedor que, por exemplo, tá descobrindo JavaScript, em estado de graça vendo coisas incríveis que o pessoal consegue fazer como o BabylonJS, e diz “Putz, que legal, você mexe com JavaScript! Bem loco isso aí, parabéns! Agora faz um favor, pega o UI5 aqui e cria um relatório de 10 colunas pra semana que vem, pode ser? Pessoal tá esperando. Mandei um e-mail com os detalhes. Valeu!” Talvez esse primeiro projeto seja muito divertido, mas conforme as coisas vão surgindo no dia-a-dia, a atividade burocrática do desenvolvimento para a empresa vai corroendo lentamente o interesse com aquela ferramenta.

Ainda assim, o JavaScript tem um universo muito amplo de aplicações, e pode ser que aquela vontade de criar continue nos projetos pessoais/paralelos. Mas o ABAP não é tão flexível assim. A motivação inicial logo se perde no mar de relatórios ALV que são entregues todos os dias.

Eu não estou dizendo aqui que é impossível extrair algum prazer do trabalho que se faz com ABAP e/ou com SAP. Os projetos, em certa medida, te dão um pouco disso em cada “entregável” (um termo ridículo, mas consegue ser melhor do que um outro que eu já vi em anúncios de vaga, delivrável), principalmente se você está envolvido no planejamento. Mas no fim do dia, o que sobra de verdade é mais uma passageira sensação de alívio pelo dever cumprido em vez do duradouro orgulho de ter criado alguma coisa nova. E se você trabalha como funcionário de uma empresa, ou mesmo alocado há muito tempo no mesmo cliente, é possível que você seja pessoalmente responsável por alguma ou mesmo todas as suas entregas e conheça de cabo a rabo cada implementação ou mesmo toda a arquitetura, e talvez seja capaz de sugerir melhorias ou mudanças. Mas, infelizmente, essas são exceções.

Some à essa conjuntura toda o fato de que a gente trabalha com uma linguagem de quarta geração que ficou estagnada por vários anos e você terá o ambiente perfeito pra deixar o pessoal dev totalmente entediado (“broxado”, talvez).

Mas não é o fim do mundo

Eu vou tentar acabar um post pela primeira vez aqui dando uma imagem positiva. Mas, ainda assim, não se engane: software empresarial vai continuar sendo chato de desenvolver.

Faz algum tempo que a SAP está mudando. Eu sei que é difícil de perceber isso no dia-a-dia (inclusive pra gente aqui do ABAP Zombie, como a gente já disse inclusive no nosso podcast), mas é verdade. E não importa qual tipo de desenvolvimento você faz: a outra coisa que motiva quem gosta de desenvolvimento de software é tecnologia nova. Não que essas novidades da SAP estejam usando tecnologias lançadas ONTEM, mas estão as usando em um contexto novo, que é o contexto das aplicações SAP.

E a incorporação desses elementos novos está abrindo espaço para que os problemas sejam resolvidos de formas diferentes, usando jeitos diferentes de pensar. Aquelas interfaces de PI que alguma aplicação usa podem virar um serviço no Gateway. Aqueles BSPs e WebDynpros antigos podem virar aplicações UI5. Aquele desenvolvimento de Workflow que manda um monte de e-mail pode virar uma aplicação com websockets e ABAP Channel. E por aí vai.

Não é como se ninguém mais estivesse pedindo por ALVs e module pools novos hoje em dia (como já vi gente mais entusiasmada dizendo por aí) – e pode ter certeza que esses pedidos ainda vão vir por um BOM tempo – mas as coisas novas estão batendo na porta. É uma boa hora pra saber como usá-las.

Abraços pra quem está implantando BSP standard com HTMLB em 2016.

E aprendam JavaScript.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someonePrint this page


About the Author

ABAP profissional desde dez/2008. Meu negócio é desenvolver ABAP, mas sem pensar só em ABAP: gosto de fazer o SAP conversar com outras linguagens e sistemas, sempre de olho no Basis.



13 Responses to 50 tons de estimativa: software empresarial e o tesão do inventor

  1. Muito bom o post Leo,
    Aqui temos a velha e importante discussão Codificador x Desenvolvedor, é muito complicado e difícil de acreditar que ainda existem muitos profissionais reforçando a teoria X onde profissionais possuem aversão ao trabalho e encaram como um mal necessário para ganhar dinheiro.

    Já desenvolvi em XNA inclusive participando do Imagine Cup e hoje sou apenas mais um ABAPer criando produtos, mas posso garantir que ainda me divirto tanto quanto naquela época, minha opinião sobre o que ainda faz existir tantos profissionais reforçando a teoria X é o simples fato da cultura organizacional existente, que ao contrário do que muitos pensam, a cultura da sua empresa é feito por você que trabalha lá.

    Acredito de verdade que se começarmos a mudar a nossa cultura e sermos mais pragmáticos todo mundo ganha.

    Parabéns pelo Post novamente e sim #aindaFaçoALV

    • Leo Schmidt says:

      Valeu Erick! Aliás, muito bom o Bar8!

      Confesso que nunca tinha ouvido falar de teoria X / teoria Y antes, então posso estar falando groselha. Mas, realmente, se a única motivação é receber no quinto dia útil, o resultado é ruim tanto pro profissional quanto pro negócio. Porém, o lance da cultura ser mais aberta não é perfeito também, porque se a empresa abraça a teoria Y com força, o problema é diferente: o funcionário acaba se autoescravizando, como a gente vê acontecendo em agência de publicidade e nessas empresas que publicam anúncio de vaga pedindo desenvolvedor “ninja”, “jedi” ou outras babaquices do gênero, onde se paga pouco e se exige o mundo.

      Eu também gostaria que a gente melhorasse a nossa cultura dentro das empresas… mas no fim do dia eu ainda acho que sempre fica no “contas a pagar, a receber, balanço e fluxo de caixa” 🙁

      (apoiadíssima a tag #aindaFaçoALV)

      • Leo para uma empresa adotar a teoria Y primeiro ela precisa ter uma gestão 3.0 e te garanto sem medo de errar que esse cenario que vc descreveu não irá acontecer… mas ai amigon já é dificil encontrar empresa com tal maturidade, imagina se for trazer para o mundo de consultorias SAP…

        Lendo novamente o post, partes do seu texto remete a problemas citados nos frameworks corporativos que são os terrores de desenvolvedores JAVA, .NET, Ruby e etc…

        Caso interesse existe uma palestra do Uncle Bob na Norwegian Developers Conference 2009 falando sobre frameworks corporativos que ressalta problemas como a desmotivação por não permitir que o desenvolvedor crie e faça a diferença, apenas codifique.

        Agradeço pela citação do Bar8!!!! flw

        • Leo Schmidt says:

          É, maturidade parece que é uma coisa difícil de encontrar mesmo.

          E quando eu escrevi eu não pensei só em ABAP.

          Vou dar uma olhada nessas palestras, parecem bem interessantes.

          Valeu!

    • Felipe Oliveira says:

      Concordo com você Eric, e entendo quando você fala de cultura organizacional, por todas as consultorias que passei raramente e agora não me lembro qual foi a ultima vez que um companheiro abaper me indicou um evento, palestra ou um simples livro da área pra ler, isso não deveria depender da empresa exigir para acontecer,

      parabéns pelo post e #aindaFacoAlv

  2. Felipe says:

    Muito bacana o post! Parabéns e compartilho da sua visão, infelizmente em alguns pontos mas felizmente em outros.

    “Abraços pra quem está implantando BSP standard com HTMLB em 2016.” – kkkkk

    Eu tb #aindaFaçoALV … Abs!

  3. Ricardo says:

    “É a necessidade do negócio ali, traduzida às vezes em desespero, talvez em especificação, que motiva esse tipo de desenvolvimento. ”

    É um poeta…

    Eu trabalho com tecnologia, com infra e sei bem qual é este sentimento: no final de um projeto temos algo: uma nova VLAN, uma rede WI-FI, etc algo palpável, infra por outro lado é o aspira não deixando a viatura do comandante parar: não há satisfação porque não há “produto”, só chamado, um atrás do outro.

    Enfim, tamo junto e mais uma vez um ótimo post.

    • Leo Schmidt says:

      Valeu Ricardo!

      Cara, quase fui pra área de redes, acho muito bacana. Mas imagino que realmente sofra do mesmo problema.

  4. Fabio Marques says:

    Parabéns pelo post, é a pura verdade.

  5. willi says:

    Ae cara concordo com tdo que vc disse… Eu mesmo fui desenvolvedor Java, C e Python no passado e agora sou um mero Funcional que as vezes da uns paranaue… eu mesmo já vi muitos desenvolvedores SAP “Abaper” falando que se dentem limitados com o ABAP e caramba 4, porem estes mesmos desenvolvedores não sabem nem programar orientado objeto ainda… não procuram evoluir… hoje a SAP tem uma grande gama de produtos ta ai a família Hybris com tdo, Java Spring, Java, Abap melhorado, Fiori, varios SDK bacanas e mesmo assim eles não procuram evoluir……………………………………………..
    Ufa desabafeiiiiii kkkk

    Ah seu top ficou muito topppp Parabéns

    • Leo Schmidt says:

      Valeu Willi!

      O Maurício já comentou aqui no blog sobre esse lance do pessoal estar despreparado, e eu acho que o que ele escreveu ali ainda é válido. Nesse post eu tentei enxergar esse problema de outro ângulo, vendo mais o perfil da galera que trabalha com ABAP do que propriamente a motivação que existe nesse pessoal pra continuar aprendendo.

      Mas é verdade, pra reclamar e continuar no lugar se gasta menos energia do que pra aprender e evoluir.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to Top ↑